segunda-feira, maio 08, 2017

UM BUQUÊ DE LIMERIQUES (AVISO: CONTÉM LINGUAGEM CHULA)

Tinha um velhinho aqui de Curitiba
Cuja pica ele enrolava por ser tão comprida;
Dizia em tom tenso
Lambendo o próprio beiço:
"Fosse buça esta boca estava fodida!"

ijs

(versão curitibana do clássico limerick
There once was a man from Nantucket
Whose prick was so long he could suck it;
He said with a grin
As he wiped off his chin:
"If my mouth were a cunt I could fuck it!")

...

Existe uma pessoa em Porto Alegre
Cuja responsabilidade me é entregue;
Mas essa minha filha
É mais que maravilha:
Se eu a deixar que o diabo me carregue.

ijs
(pra Rúbia Augusta)

...

Havia um cidadão morador do centro:
Vivia por fora mas se achava por dentro;
Perguntou na prefeitura
(Onde ingressou de pica dura):
"E aqui nessa suruba onde é que eu entro?"

ijs

...

Havia um cidadão de Ponta Grossa
Que passava a vida toda numa fossa;
Ele foi a Campo Largo
E lá tomou um mate amargo
Mas na volta ele tomou foi uma coça...

ijs

...

Agora li a poeta Priscila Merizzio
E decidi que antes de ter uns chiliques
Esta noite eu controlaria
Essa súbita mania
De ficar versificando em limeriques...

ijs

...

Tinha um poeta chamado Marcos Prado
Mais raro que Pégaso, o cavalo alado;
Cavalo vestido
Era seu apelido,
E será mais clássico que Machado.

ijs

...

Tinha um polaco lá no Pilarzinho:
Chutava poste, fazia verso, bebia vinho;
Com sua poesia
Até pedra sorria
No início, no meio e no fim do caminho.

ijs

...

Tinha um velhinho lá de Paranaguá
Que achava que São Paulo era no Paraná;
Ele morreu feliz
Sempre sendo o que quis
Sem saber se São Paulo estava lá.

ijs

...

Tinha um velhinho lá de Cianorte
Que achava que a vida era a morte;
Um dia o diabo
Pisou no seu rabo
E ao velhinho isso deu muita sorte.

ijs

...

Tinha um velhinho lá de Apiaí
Que achava que cá era aqui;
Ele disse vem cá
A uma velha acolá,
Mas pra ela cá não era ali.

ijs

Nenhum comentário: