quinta-feira, abril 12, 2018

DISPENSANDO O SHOW

*
O amor convidou a poesia
prum piquenique na minha varanda.
O caos e a morte chegaram com gritaria
feito um protesto que já desanda.

A poesia reclamou que eu repetia
a obra dos poetas meus favoritos
enquanto o amor apenas pedia
mais vinho e talvez quibes fritos.

Caos e amor se enlaçaram no meu colo
sussurrando que seria para sempre:
poesia e morte providenciaram o bolo
e verteram éter na mente da gente.

Enfim sós comigo mesmo notei
que a sociedade perdida se achou:
não há nenhuma necessidade de rei
a quem também já dispensa o seu show.

ijs

sexta-feira, abril 06, 2018

Tempo & Espaço

*
No amor, o tempo fica mais perto
e é mais curto do que o espaço:

a memória vai de zero a vinte anos
instantaneamente, enquanto

a distância marca sempre
a falta de um abraço.

ijs

quinta-feira, março 01, 2018

Resenha brevíssima do Livro dos Contrários, de Marcos Prado, seguida de texto integral com versão ao inglês por Ivan Justen Santana

O Livro dos Contrários, de Marcos Prado, foi publicado também na edição "O livro de poemas de Marcos Prado" (Curitiba, Iluminuras - edição em conjunto com a Fundação Cultural de Curitiba, 1996).

É um livro formado por 16 poemas, que agora estão integralmente traduzidos ao inglês pelo resenhista que aqui escreve, e deixa registrado para que se publique de todas as formas, e alguém um dia venha até a mim e à Araiê e à Monica Berger e nos ceda em barras de ouro a oportunidade de usar algum dos textos (hahaha).

o livro dos contrários
Marcos Prado
[the book of the contraries]

*

um homem caminha rumo ao horizonte
com uma calma que o faz driblar o passo
isento de pensamentos e de cansaço
sem com quem falar nem com quem conte

outro, sobe apressadamente um monte
pensando em como é deprimente céu abaixo
sentindo-se infeliz e cabisbaixo
porque subir não o leva além de ontem

os dois se encontram um dia num deserto:
- isso um dia já foi uma floresta
- em qualquer direção que eu vá, fico mais perto

e se despediram, um com aceno de dor, o outro de festa
você que é sábio, se diz bom e esperto
diga qual o que ama e qual detesta
_

a man walks towards the horizon
so calm as to dribble his own step
exempt from thoughts and unrest
with no one to talk to or to rely on

another man, he hurries up a mountain
thinking how depressing it is under the sky
feeling unhappy and downcast
as the climb takes him only beyond yesterday

the two men meet one day in a desert:
"one day this desert was a forest"
"any direction i go, i´m getting closer"

then one waved goodbye in pain, the other in feast
o you, wise, who call yourselves good and clever
tell us which one you love and which one you detest

*

a verdade havia escolhido ser mendiga
carregava um saco de pão-seco na mão
tudo porque com ela houve uma intriga
e ela disse sim quando era óbvio o não

a mentira, cheia de si e armadilhas
ofereceu-lhe um bolo de bandeja
a verdade, que crê em quem quer que seja,
aceitou o banquete e as honrarias

a mentira, no meio da digestão da infeliz,
resolveu dizer o que havia ouvido sobre ela
"dizem que você está onde sempre quis
e que há entre o que pensa e sente uma panela"

a verdade acreditou no que estava ouvindo
e, enquanto mastigava o bolo fofo,
pensava e realmente estava sentindo
uma saudade do seu pão duro, verde e mofo
_

truth had decided to become a beggar
she carried a bag of dry-bread in her hand
all because there was with her an intrigue
and she said 'yes' when 'no' was the obvious stand

lie, full of herself and traps and trolleys
offered her sister a cake in a tray of gold
truth, who believes in just about anybody,
accepted the banquet and the honors

lie, in the middle of the unfortunate's digestion,
decided to say what shed heard about her
"they say you are where you´ve always wanted to be
and between what you think and feel there's a pan"

truth believed in what she was hearing
and, as she was chewing the fluffy cake,
she was thinking and was really feeling
a longing for her hard, green, moldy bread

*

fui até o caos fazer uma visita
e agora estou voltando a pé
peguei um caminho chamado qualquer
cérebro palpita, passo hesita

para onde vou se não sei nada
do lugar de onde não sei de onde saí?
"do nada" alguém disse e eu nada
senti ou pressenti de onde saí

o caos me encontrou no meu destino
"você chegou ao lugar de que vim"
olhando-o bem vi um menino
e ele: "você é um amigo velho pra mim"
_

i went to chaos for a visit
and now i´m coming back on foot
i took a way called anyways
brain flutters, step hesitates

where do i go if i know nothing about
the place from where don´t even know i came from?
"out of nowhere" someone said and i felt
or sensed nothing from where i left

chaos found me in my destiny
"you've arrived to the place from which i came"
looking closely at him i saw a kid
and he: "to me you´re a very old friend"

*

o rico recebeu o pobre em seu palácio
lhe deu um tratamento digno de rei
“o que você quer de mim, palhaço?”
disse o pobre, e o rico: ainda não sei

o pobre ficou puto da cara e, mudo,
ouviu que o rico era a seu favor e queria
aumentar o que já tinha e dividir tudo
menos o que pra ele mais valia

o silêncio tomou conta da conversa
e ele mesmo passou a ser o assunto
o pobre quer ser rico e não confessa
o rico ser ralé por um segundo
_

the rich received the poor in his palace
and gave him a kingly treatment
"what do you want from me, you clown?"
said the poor, and the rich: i don't know yet

the poor got pissed off and, mute,
heard the rich was in his favor and wanted to
increase what he already had and split all
except for his dear surplus value

silence took over the conversation
and it became a subject in itself
the poor wants to be rich but wont confess it
the rich wants to be scumbag for a second

*

se encontraram magro e gordo
num corredor que só passava um
o gordo se encolheu todo
o magro não fez esforço nenhum

antes de partir pra barrigada
com licença, disse o gordo, gentil
o magro tentou ser camarada:
tanto faz eu ir de frente ou perfil

um dia, uma noite e a madrugada
ficaram os dois ali no corredor
o gordo: vamos decidir na porrada
o magro: por que não ser ator?
_

thin guy and fat guy met
at a hallway with space for one
fat guy shrunk and held breath
thin guy made no effort at all

before starting to barge his way in
excuse me, said fat guy, gently
thin guy tried to be friendly:
front or sideways i pass as well

one day, one night and a daybreak
they stood there in that hallway
fat guy: lets decide it fighting
thin guy: why not become actors?

*

o azar, depois de muito tempo perdido
entre fichas e baralhos de um cassino
resolveu casar e ganhar um filho
com a sorte, de quem hoje é legítimo marido

para a sorte foi um casamento magnífico
pois cansara de ser uma principiante
com ela, azar seria um homem muito rico
desde que não possuísse nenhuma amante

mas surgiu na história uma tal de probabilidade
e a sorte logo percebeu os jogos de azar
isso reacendeu a velha rivalidade
e, pela sua regra, ele teria que pagar

“azar, vamos colocar as cartas na mesa”
disse, com a garantia de que iria ganhar
“sorte, pela probabilidade, vou perder, com certeza,
mas é nela que eu vou apostar”
_

bad luck, after losing too much time
in the casino amid chips and decks of cards
decided to get married and have a child
with luck, of whom he's now legit husband

for luck it was a magnificent wedding
as she was tired of being a beginner
with her, bad luck would be a very rich man
as long as he didn't have any lover

but in comes this lady called probability
and luck soon recognized the games by bad luck
such facts reignited their ancient rivalry
and, by her rule, he would have to pay

"bad luck, lets put the cards on the table"
said she, sure of the win she would get
"luck, by probability, i lose, its certain,
but it is in her that i will bet"

*

o mestre disse: feio e bonito se equivalem
tanto aqui como aquém, no além
feio e bonito se entreolharam torto
enquanto o mestre os olhava absorto

o bonito disse ao mestre, sério:
de mim advêm a beleza e o mistério
o feio, de chorar, tinha o olho vermelho:
mestre, ninguém para mim serve de espelho

a tristeza do feio e a certeza do bonito
fizeram o mestre levantar da cadeira:
vocês vivem, os dois, na mesma cadeia
vão, livres, daqui, enquanto eu reflito
_

the master said: ugly and handsome are equivalent
both here and out there, beyond
ugly and handsome glared at each other
while the master watched them, absorbed

the handsome told the master, serious:
from me comes the beauty and the mystery
the ugly, crying, had his eyes red:
master, nobody serves me as a mirror

the sadness of one and the certitude of the other
made the master rise from his chair:
you live, both of you, in the same chain
go, free, from here, while i reflect

*

o alegre recebeu o triste
certa tarde em seu casebre
o triste pouca coisa disse
o alegre usou de formas breves

ficaram amigos dessa forma
o triste silenciou a amargura
o alegre usou a ternura como norma
entre os dois, a mesa e a noite escura

amanheceu, acabou a noite, o vinho
e, sozinho, ficou o alegre à mesa
enquanto o triste saía sem destino
sem nenhum resquício de tristeza
_

the happy received the sad
one afternoon in his hut
the sad little thing said
the happy used his brief ways

they became friends that way
the sad has silenced the bitterness
the happy used tenderness as a rule
between the two, the table and the dark night

the day broke, the night was over, the wine
and, alone, the happy stood at the table
while the sad one left without destination
without any trace of sadness

*

o amigo encontrou o inimigo
na porta da maternidade
o amigo disse: “esse é meu filho
e o dedico à nossa amizade”

o inimigo, abrindo a porta ao amigo:
“retiro o meu da nossa inimizade”
os filhos trocaram de colo no caminho
e até hoje pensam que são seus pais de verdade
_

the friend found the enemy
at the door of the maternity ward
the friend said, "this is my son
and i dedicate him to our friendship"

the enemy, opening the door to his friend:
"i withdraw mine from our enmity"
the children changed laps on the way
and to this day they think they have their real parents

*

o mal foi discutir com o bem
o destino da humanidade
disse que não faria mais maldade
nem bem também

o bem lhe contou uma história triste
“bem sem mal não existe”
o mal respondeu com superioridade
“você tem complexo de inferioridade”

o bem, por bem, resolveu ser mau
"daqui pra frente sou seu igual"
_

evil went to argue with good
the destiny of mankind
said he wouldn't do any more harm
neither anything good either

good told him a sad story
"good without evil doesn't exist"
then evil replied with superiority
"you have inferiority complex"

good, for good, decided to be bad
"from now on i am your equal"

*

a avalanche preparou sua queda
arquitetou a mudança da paisagem
não deixou pedra sobre pedra
num ruído infernal sem frase

o abismo, sentindo-se traído
mergulhou em profunda depressão
“este é um vale por mim desconhecido
não domino mais quem cai ou não”

“caia em si”, disse a avalanche
o abismo se olhou de cima a baixo
e descobrindo seu próprio alcance
saltou “por você me esborracho”

a avalanche duvidou de início
mas já rolava em outro precipício
_

the avalanche prepared its fall
it architected a landscape change
left no stone above stone
in an infernal noise without a phrase

the abyss, feeling betrayed
plunged into deep depression
"this is a valley by me unknown
i no longer dominate who falls or no"

"fall into yourself," said the avalanche.
the abyss looked at himself top to bottom
and discovering his own scope
jumped "for you i get smashed down and out"

the avalanche doubted at first
but it was already rolling on another cliff

*

“sou o destino, muito prazer
você parece um pouco abatido”
“estava assim por você
mesmo sem nunca ter te conhecido”

o destino, que não bateu à porta
fatalmente ficou comovido
o acaso, sem querer, foi embora
tomando rumo desconhecido

o destino pensou: “é minha culpa
eu é que o faço inesperado
preciso deste cara como dupla”
e desviou do seu rumo por acaso
_

"i am destiny, it's a pleasure
you look a little dejected"
"i was like this for you
even without ever meeting you"

destiny, who didn't knock on the door
was fatally moved
and chance accidentally left
taking an unknown course

destiny thought: "it's my fault
i do the unexpected
i need this guy as my pair"
and deviated so as to meet chance

*

havia um sol no céu de maio
quando junho, brusco, veio
trouxe trovões, frio e trocá-lo
era o inverso de percebê-lo

súbito, tudo se fundiu em chuva
monolítico, nas nuvens, o sol paro
xítono: “arco-íris não é cor, é curva”
chuva e sol têm um encontro raro

“quando anoitece, sol, sou soberana
disse chega a chuva à flama com olhar de raio
o sol, sonolento, guardou raios, chama
choveu sobre a chuva e voltou maio
_

there was a sun in the sky of may
when june, abrupt, came
brought thunder, cold and swap it
was the reverse of perceiving it

suddenly, everything fused into rain
monolithic, in the clouds, the sun paro
xitone: "rainbow isn't a color, its a curve"
rain and sun have a rare encounter

"when night falls, sun, i'm sovereign
said stop to rain to the flame with eye in bolt
the sun, sleepy, kept rays, flame
rained over the rain and came back may

*

“tanto faz o que fiz
que cada vez faço mais”
pensou o gênio, feliz
alheio em meio aos demais

“eu fazendo ou não, tanto faz”
zurrou o burro olhando as botas
de seu mestre capataz
que carregava todo dia às costas

“se ele tem patas, por que não anda sozinho?”
pensou o burro pela primeira vez na vida
e empacou espetacularmente no caminho
tornando a viagem do gênio sem volta ou ida:

“interessante, não sinto mais mudança na paisagem
toda a natureza se transformou na árvore em frente
parece ser esse o fim da minha viagem”
e ficaram os dois ali até o para sempre
_

"no matter what i did
that every time i do more"
thought the genius, happy
remote amid the rest

"doing it or not, it doesn't matter"
brayed the donkey looking at the boots
of his master foreman
that he carried every day on its back

"if he has paws, why doesn't he walk by himself?"
the donkey thought for the first time in his life
and packed spectacularly on the way
making the journey of the genius one of no return or going:

"interesting, i don't feel any change in the landscape
all nature has become the tree in front
this seems to be the end of my trip"
and the two remained there until forever

*

um homem extremamente nervoso
encontrou no bar um homem muito calmo
simpático, o calmo foi generoso
e cedeu-lhe um lugar a seu lado

o nervoso contou sua vida
com detalhes inimagináveis
entre um e outro gole de bebida
o calmo bebeu doses incontáveis

os dois, abraçados, já cantavam
quando surgiu um terceiro no balcão
tentou falar, mas eles não se acalmavam
tentou brigar, mas veio outra canção
_

an extremely nervous man
found a very calm man in a bar
nice, the calm was generous
and gave him a place by his side

the nervous told his life
with unimaginable details
between one and another sip of drink
the calm drank countless doses

the two of them, hugging each other, were already singing
when a third man appeared at the counter
he tried to speak, but they did not calm down
he tried to fight, but another song came

*

“é simples, complicado, seja simples.
simples: não seja complicado
acha complicado ser simples
simplesmente seja complicado”

“simplesmente? não é simples!
quem pensa assim simplesmente
não pensa assim por ser simples
pensa por não pensar simplesmente”
_

"it's simple, complicated, be simple.
simple: don't be complicated
do you find it complicated to be simple
simply be complicated"

"simply? its not simple!
who thinks so simply
doesn't think so for being simple
he thinks for not thinking simply"

Curitiba, 1994, 1996
Translated by Ivan Justen Santana, 2017, 2018

All rights reserved to
Lagarto Editores, 1996
IJS, 2018
March goes on...

quarta-feira, fevereiro 28, 2018

UM SACI QUE SACIE

(soneto inglês)

Você precisa daquela pureza
que em sua infância fazia bonito.
Recuperar alguma natureza,
um brilho no olhar, fotolito
de filme, fato expectativo,
gesto que transmita humildade
e majestade de nudez sem crivo,
sem sacrifício ou fera maldade,
sem grosseria mas de força tal
que não cutuque ou sequer provoque
o mal do bem nem o bem do mal,
mas que tenha efeito de toque

que brinque, bata, encante, acaricie
e ao fim seja comida que sacie.

ijs

quinta-feira, fevereiro 22, 2018

XXII QUADRAS PRA GL

-------------------------

GRAFE, GRAFE FINO
OU GRAFITE MAIS GROSSO
A TINTA FAZ SEU DESTINO
E CORRÓI ATÉ O OSSO

IJS

+++++++++++++

TRANSMUTE AS CORES DO DIA
CADA SÍLABA CONTA
SUA VOZ MAIS ARREDIA
SABE ONDE SE ENCONTRA

-----------------------------------------------

UMA PARTÍCULA ÍNFIMA
MUDA INTEIRA A SOCIEDADE
E SUA SALIVA ÍNTIMA
DESLIZA PRA IMENSIDADE

---------------------

E SE FUI ESTUPRADOR
NALGUMA VIDA PASSADA?
HOJE SÓ TRANSMITO AMOR
MESMO SÓ COM UMA DENTADA...

____


SOU SEU SUSPEITO FÃ
COM RITMO ABREFIADO
O NOME SEGUE IVAN
A SEU VERSO CONSAGRADO

-------

O MURO (ORELHÃO, ....) É O PAPEL DOS POETAS
METRO, RIMA OU SOMENTE FODA
CUMPRINDO TODAS AS METADES
A GENTE GRIFA, INFERNIZA, INCOMODA

_______



O SISTEMA TÁ CAGADO
SEGUINDO CAMINHOS TORTOS
ENQUANTO ISSO, NOSSO FADO
É RESSUSCITAR OS MORTOS


________

ANTIBANALISSIMAMENTE
NOS TRANÇAMOS NESTA CORDA ---
SONHA QUEM ABRE A MENTE:;
QUEM FLECHA OS OLHOS ACORDA



_________

NÃO VAMOS FODER COM TUDO
OU SÓ BRINCAR DE ASSUNTOS SÉRIOS
---VAMOS SIM FAZER SACUDOS
SACUDIREM CEMITÉRIOS!



____

ANTES QUE SACOS TRINQUEM
VAMOS LÁ FAZER AQUIS
RELER OS PAULOS LEMINSKIS
E AS HELENAS KOLODYS



___________




LUTO NÃO DURA POUCO
É MENOS QUE O FIM DA VIDA
VIVER FAZ SENSO MAIS LOUCO
QUE SÓ SOPRAR FERIDA



____

SERES HUMANOS TRAZEM
UMA VERDADE SEM FRAUDE:
NA PRÓPRIA PALMA DA MÃO
O M, A MARCA DA MALDADE


____


POESIA TRAZ SEUS RISCOS
POR TODAS AS DIREÇÕES
ÀS VEZES FURA DISCOS
ÀS VEZES, CORAÇÕES


_____

SIM: A MORTE NOS PERSEGUE
E O AMOR SEGUE NO AR:
SEGUE O JOGO QUE NOS PEGUE
SEM NOS MUDAR DE LUGAR


____

PERTO O PARTO JAZ NO PORTO:
POUCO IMPORTA
ESSE CONFORTO
CRUZE A PORTA E MATE A MORTE



_______


CHÃO ABERTO SOB SEU PÉ
BOLSO CADA VEZ MAIS DURO
OLHAR EM FRENTE: É O QUE É
RELEIA O PIXO: FUTURO



_________



PROVINDO DO MAL ESTAR
UMA FORÇA QUE NÃO SOME:
CIVILIZAÇÃO É LUGAR
PRA ANIQUILAR A FOME



________


SABEREMOS NESTA SORTE
PROVOCAR VIDA MELHOR:
PODE MUITO A FORTE MORTE
PODE MAIS O AMOR MAIOR



---------------------------------------

ESTE ESFORÇO PAGA A PENA
GANHANDO MAIS QUE PODER:
ALMA MAIOR É A DA PEQUENA
QUE CONSEGUE SER E NÃO SER




<3 p="">



AS PALAVRAS GANHAM MAIS
TENHAM OU N]ÃO UMA RIMA
RIMOS NÓS DESSES ENCANTOS
DEBAIXO, DE LADO E DE CIMA



_____



A PÁGINA VIROU O MURO
E O MEU É O SEU LUGAR:
PASSADO AGORA ESTOU FUTURO
BASTA IMAGINAR


_____






AMOR É COISA AMADA
CAMÕES DEU LETRA E NORMA:
IMAGINAR: IDEIA & ALMA
A MATÉRIA BUSCA A FORMA







IJS, CURITIBA, CLÍNICAS PSIQUIÁTRICAS X E Y (SIGILO ÉTICO)
ANO DE MMVIII, 60 dias de internamento total: 25/12/2017 - 22/02/0218

quinta-feira, dezembro 21, 2017

האהבה של תפוזים

O AMOR DE UMA LARANJA
(Dahlia Ravikovitch)

Uma laranja amou mesmo
O homem que a comeu.
Banquete aos olhos
É um belo repasto;
Coração honesto
Ao olhar guloso.

Um limão zombou:
Tenho mais sapiência.
Um cedro se doeu:
E, de fato, morrerás!
E quem pode reviver
Um ramo que secou?

O limão instigou:
Ó tolo, sê sábio.
O cedro se ardeu:
Calúnia e pecado!
Arrepende-te logo,
Eu desprezo o tolo.

Uma laranja amou mesmo
Com amor e seu corpo
O homem que a comeu,
O homem que a puniu.

Uma laranja amou mesmo
O homem que a comeu,
Ao carrasco ela deu
A carne aos dentes.

Uma laranja, consumida
Pelo homem que a comeu,
Invadiu a pele dele
Até a carne por baixo.

___
vb:ijs
FONTE: Revista "Poetry", Abril, 2009. The Translation Issue. P. 24. O original é em hebraico, e traduzi a partir da tradução ao inglês por Chana Bloch e Chana Kronfeld.

terça-feira, dezembro 12, 2017

SOMENTE SWIFT SALVA

Lemuel Gulliver voltou para a Inglaterra e foi morar num estábulo, com os cavalos, porque a companhia de seres humanos ficou insuportável ao marinheiro poliglota.

Se você acha que conhece aquela "historinha" das viagens de Gulliver, saiba o seguinte:

é um romance de sátira, e suas versões infantojuvenis castram a obra, rasgando as três partes seguintes, mais fortes e ainda mais interessantes;

existe uma maravilhosa paródia, em quadrinhos, feita pelo mago do desenho Milo Manara: intitula-se Gullivera, e somente pessoas divinas abençoadas dispõem de materiais assim;

Swift é foda pra caralho e pra boceta: mas leiam Swift integral, e não semidesnatado...

IJS

sexta-feira, dezembro 08, 2017

LIBERDADE, AMOR E ZONA

*
O país onde a liberdade é só uma puta duma estátua erguendo uma tocha em gesto triunfal é o país com a maior população carcerária do planeta, e com uma sociedade escravizada pela exploração do trabalho, e pelo consumismo como ideal de felicidade.

O país onde o amor é só uma puta duma estátua dum puto dum cristo de braços enganosamente abertos (fugido da cruz?) é o país que tem o maior cultivo organizado de ódio no planeta, e que se deixa escravizar de bom grado por aquele país daquela pretensa liberdade.

Meu país é minha zona. Minha bagunça é meu crime organizado, minha oração não tem sujeito nem objeto nem porra de deus onipotente e onipresente e onisciente nenhum: uma consciência não surge do nada: ela é forçada a se formar, e as consciências humanas soem ser e haver-se imperfeitas, irregulares, deformadas, em estado de calamidade. Quem não é e quem não há de?

Portanto foda-se. Bem vindo(a) à minha zona: estou pouco me fodendo e louco me ofendendo, pouco a tampouco, e você pode ficar, ir à merda, ou nem fazer o que tiver mesmo vontade.

ijs

segunda-feira, dezembro 04, 2017

BOSSACRIFÍCIO

[num cio de dois poemas por segundo instinto:]

nunca enterre o poema
na cova rasa
da piada pronta

devidamente morta
a poesia
não merece cova
com menos
de sete pelouros
de profundidade

seja a favor
ou seja
contra


ijs

sábado, dezembro 02, 2017

"A minha vida foi uma arma pronta"

Emily Dickinson

A minha vida foi uma arma pronta
Na esquina, até que um dia
O dono veio—identificou,
E me levou da via.

E agora andamos soberanos bosques,
E agora temos caça e pesca—
E sempre que eu falo por ele
Montanhas logo se interessam.

E que sorriso o meu, a luz cordial
Rebrilha sobre o vale—
É qual uma covinha no Vesúvio
Surgindo nesta face.

E quando à noite, findo o dia,
A meu mestre faço guarda,
Melhor isso é que ter compartilhado
A mais fofa almofada.

Dos seus imigos sou a imiga,
Não há segunda vez
Àquele em quem boto olho torto
Ou polegar veemente.

Mesmo que eu viva por mais tempo,
Vive ele mais do que eu,
Pois só domino a arte de matar—
Sem o poder de morrer.

vb:ijs

quinta-feira, novembro 30, 2017

VIRANDO A QUADRA DO ÓDIO

*
eu resolvi sentir o ódio
só pra saber o que o outro sente:
senti somente outro episódio
do que sem ti ficou minha mente

ijs

quarta-feira, novembro 29, 2017

"A Bíblia é um volume arcaico"

Emily Dickinson (1830-86)

A BÍBLIA é um volume arcaico
Escrito por sumidos homens,
Por sugestão de Espectros Santos—
Assuntos—Belém—
Éden—a velha Herdade—
Satã—o Brigadeiro,
Judas—o grande Infrator,
Davi—o Trovador.
Pecado—um distinto Abismo
Que os outros têm que evitar,
Garotos que "acreditam"
São muito solitários—
E outros estão "perdidos."
Tivesse um Cantador a estória
Viria toda a garotada—
O sermão de Orfeu absorvia,
Não condenava.

[vb:ijs]
__

THE BIBLE is an antique volume
Written by faded men,
At the suggestion of Holy Spectres—
Subjects—Bethlehem—
Eden—the ancient Homestead—
Satan—the Brigadier,
Judas—the great Defaulter,
David—the Troubadour.
Sin—a distinguished Precipice
Others must resist,
Boys that “believe”
Are very lonesome—
Other boys are “lost.”
Had but the tale a warbling Teller
All the boys would come—
Orpheus’ sermon captivated,
It did not condemn.

terça-feira, novembro 21, 2017

DESENCARGO DE INCONSCIÊNCIA

[pra ninguém em particular]

a gente era o casal que dançava colado na cozinha
eu sempre na casa dela: ela, na minha

mesmo em galinheiro cheio nunca tinha rinha:
eu olhava as outras porém me continha

o final da história foi um verso ímpar

sei que minha barra jamais voltará a ser limpa
mas se é triste é alegre porque foi supimpa

ijs

segunda-feira, outubro 30, 2017

UM POEMA PARA UMA PROFESSORA

(para ela que sabe que é ela mesma)


Gostaria de nunca escrever um acróstico.

Ler nunca foi a minha praia deserta.

Aliás, acho que já fiz uns acrósticos.

Um dia eu li um livro inteiro numa tarde.

Caraca! É horrível usar gíria importada...

Ivans são sempre complicadinhos de lidar.

Acho melhor parar por aqui, já deu pra cabeça...

]
ijs