quarta-feira, abril 19, 2017

NUM ANIVERSÁRIO DA MORTE DE LORD BYRON

*
__Hoje vou ensinar como é a estrofe
__Que um lorde inglês usou num certo poema
__No qual versou de si tal qual mau bofe
__Que faz da própria vida o velho tema
__Fingindo que o fazer não tem problema:
__A estrofe chama-se “spenseriana”,
__E as rimas se intercalam neste esquema,
__Em nove versos feito este sacana
Aqui compõe e assina: Ivan Justen Santana.

ijs

terça-feira, abril 04, 2017

Elegia 2017

*
Caí em desgraça
co´a musa mais bela
e agora sem raça
meu potro se atrela.
Meu sonho sacode
do bolso de poemas:
não saco uma ode
sem estratagemas
e estratos de gemas:

componho umas flores
nos versos das dores.

ijs
__

quarta-feira, março 22, 2017

VOCÊ (NO DIA DO SEU ANIVERSÁRIO)

*
Você
queria ser
Mallarmé:
mala
você
já é.

Você
queria ser
um Rimbaud
mas nem
o fogo
você
roubou.

Você
queria ser
um sacana
dum artista
mas se
cansou até
de fazer
essa
lista.


ijs

terça-feira, março 21, 2017

SEM CONSEGUIR AINDA DORMIR

*
Sem conseguir ainda dormir, e lembrando
que este blog ainda existe e anda vivo se movendo,
e eu estou caindo e recaindo no que antes esnobei,
pensei que quase dá no mesmo mas nem tanto,
e que escrever em versos
à vontade no teclado de um computador de colo
é outro jogo de futebol, ou melhor:
é o velho jogo novo e mais estiloso,
ou mesmo apenas papo furado
mesclado
com pretensa alta poesia.

Mas
se eu ainda me presto
e acho que presto
a isto e nisto
então
não
importa
tanto o meio, e a mídia:
(será?)

li agora pouco um artigo
que fez uma crítica redutora
sobre o poder
ou pior
a falta de relevância
do trocadilho
por si só:
ou da paronomásia
(o efeito de semelhança
diferença de palavras e nomes),
e me chamou a atenção
a intenção de dar relevo
maior aos conteúdos --- melhor reformular:
talvez o interessante seria/seja conseguir
aliar sonoridade e sentido e desenho animado
e humor e prazer e borrachada na cara
spray de pimenta nos olhos das outras
pessoas que também aparecem no jornal majoritário...

Enfim: além de tudo isso
também acho que valem
a construção, a métrica, a técnica,
o uso correto da escansão e das cesuras
eventuais ou súbitos encavalamentos de
versos.

Como queiram que os façam,
conseguindo ou não criar suposta música
mesmo que às vezes silenciosa de si mesma
e que acompanhe as imagens
as quais sejam farejadas
cheiradas
sentidas
como puras
uvas
maduras
ou
até
como
aquelas
"ameixas:
ame-as
ou deixe-as."*

ijs

* Paulo Leminski Filho

P.S. É a abreviatura de Post Scriptum, do latim para "escrito depois", do tempo em que se escrevia com pena e tinteiro (com tinta, evidentemente), mergulhando a ponta da pena no tinteiro e a seguir desenhando as letras no papel, e foi assim durante pelo menos mil e centenas e dezenas de anos até ser criada a tipografia móvel, enfim --
não existe mais a necessidade de usar um P.S. porque você pode editar o que escreve, sempre.
Mas resolvi usar um P.S. e me perdoem o estilo rebarbativo: eu só queria esclarecer que nem sempre o uso puro de rimas é suficiente para dizer que é poesia
só que não
só que sim
soque-se quem puder.

Ah, sim: tem que ter o link do artigo, senão não fecha o dialogismo: (editado)
fui buscar e achei mais esse -> http://www.curvilingua.com.br/ave-trocadilho/


quinta-feira, março 02, 2017

Este soneto vai para Wagner Schadeck, Caio Tardelli, Rodolfo Jaruga, e Thadeu Wojciechowski

*
Eu sei que mais ninguém dá trela a versos
e que a leitura é coisa descolada
da realidade de quem sabe um nada
e opina em tantos temas controversos.
E sei também o quanto são perversos
os poucos que controlam a mão armada
da mídia a tratar todos qual manada
enquanto os temas sãos ficam submersos.
Mas sei também dessas aspirações
estranhas que cantou um poeta alerta
às músicas e às cores dos seus sons
e às notas dum perfume que desperta
a gargalhada oculta no sorriso
interno que empetala o chão que piso.

ijs
*

domingo, fevereiro 26, 2017

Hoje troquei a imagem-cabeçalho deste blogue...

E aqui vai um poema meu que o Roberto Prado postou na rede social que cada vez mais tem virado sinônimo de internet aos desavisados sempre de plantão.


hoje vou tirar a alma da lama
falar baixo a quem me odeia
e calar fundo em quem me ama

IJS

domingo, fevereiro 19, 2017

Dois poemas que merecem transcrição...

Conforme alguns dos leitores desse blog sabem, e outros possivelmente nem soubessem se eu não comentasse aqui, um grande amigo meu e da minha turma de poetas parceiros de composições musicais e outras nem tanto, aqui em Curitiba, morreu na semana passada.

Edilson Del Grossi é talvez o mais marginal de nós marginais, e nunca chegou a publicar um livro-solo de poemas. Ele costumava compor em parceria, especialmente com o Antonio Thadeu Wojciechowski, o Sérgio Viralobos, o Chico "Capetão" Cardoso, o Edson de Vulcanis, entre outros meliantes que ainda não perderam seu latim.

Então aqui estão dois poemas excepcionalmente compostos a apenas duas mãos pelo Edilson, e que merecem entrar em qualquer antologia da poesia curitibana, paranaense, brasileira e intergalática (completa ou incompleta:)


POETA LAVANDO ROUPA

O tanque e o poeta
saíram pra conversar.
Um falando de guerra,
o outro falido de amar.

Quando as explosões começaram
o poeta fingiu de morto.
O tanque, muito vivo,
pensava só em seu corpo.

Um indiferente:
tanto faz morrer ou matar.
O outro segue em frente:
o mundo é pra passear.

Edilson Del Grossi
__

DEZ MIL ANOS EM BUSCA DO AMOR

Dez mil anos anos em busca do amor
que nos redimisse.
O poeta, mais que todos,
vem sofrendo dessa tolice.

Como é esquisito
ver um homem bonito,
forte, inteligente,
consumir-se nessa patetice!?

Como se no país das maravilhas
só existisse ele,
e não Alice.

Edilson Del Grossi
__


terça-feira, fevereiro 14, 2017

Presente do Dia de São Valentino

pra Faena Figueiredo Rossilho:

MONSTRUOSA BELEZA QUE NUNCA MORREU: TENS LUGAR À MESA ANTERIOR AO MEU

Quero amar apenas
desse amor completo
que mesmo nas curvas
vai direto e reto:
pois sou gente humana
com medo e receio
e este poema emana
seu fim pelo meio.
Tanto sentimento
sempre expresso a ela:
minha amada e templo
onde acendo a vela;
minha companheira,
minha companhia,
minha vida inteira
em meio à poesia;
minha celebrada,
festejada minha:
vinha a qualquer nada
e fez toda a linha;
minha Faeninha,
minha linda amada:
pena da almofada
da fada madrinha;
este poeminha
você já esperava
qual graça marinha
do seu rio de lava
que aqui encaminha
só mais um versinho
e um fogo no incenso
e um fumo mais denso
e vamos ao vinho.

ijs
__

quarta-feira, fevereiro 01, 2017

Não é sempre que o pai da sua namorada faz sessenta anos de idade...

*
SESSENTA
(Ao Cesar Rossilho)

A vida está completa
Do ser humano em chama
Que mesmo sem resposta
Completa os seus sessenta

Com tudo que ele acerta
E tudo que ele ama
E tudo que ele gosta
E tudo que ele aguenta.


ijs
__