domingo, junho 14, 2009

Aperitivo pro Bloomsday

(postagem dedicada a Renato Quege, irrestrito leitor de James Joyce)

O poema que apresento aqui foi escrito por James Joyce aos 20 anos de idade, durante sua primeira estadia em Paris, em 1902.

Joyce enviou-o a seu mais prezado amigo de faculdade, John Francis Byrne, em foto-postal, com o título:

Second Part – Openning which tells of the journeyings of the Soul

Segunda Parte – Abertura que fala das jornadas da Alma


Posteriormente o poema foi incluído em Chamber Music (Música de Câmara, 1907), livro de estreia de Joyce, contendo 36 poemas, sendo este o trigésimo-quinto da coleção:


All day I hear the noise of waters
__Making moan,
Sad as the sea-bird is when going
__Forth alone
He hears the winds cry to the waters´
__Monotone.
O dia todo ouço o murmúrio de águas
__Em lamento,
Triste assim como é a gaivota solitária
__Contra o vento
Ouvindo o mar chorando o seu monótono
__Movimento.

The grey winds, the cold winds are blowing
__Where I go.
I hear the noise of many waters
__Far below.
All day, all night, I hear them flowing
__To and fro.
Os ventos frios e cinzentos vêm uivando sobre
__Mim também.
Eu ouço o murmúrio de muitas águas
__Baixo, além.
O dia todo, a noite toda, eu ouço seu eterno
__Vai-e-vem.

James Joyce
Ivan Justen

3 comentários:

the at last disse...

Realmente, incrível.

Anônimo disse...

Não lembro minha conta do google, então vou colocar como anônimo; então, "He hears..." Ele ouve; na sua tradução, não há a contraposição dos sujeitos eu/ele; o que o verso sugere é o contraponto eu/ele... note bem! Beijo!
Isa

Ivan disse...

O contraponto está tanto na ambiguidade

[quem é que está "ouvindo o mar chorando o seu monótono movimento"?
A gaivota (he) e o eu-lírico (I)]

quanto na simples comparação [eu ... assim como é a gaivota] -

agradeço o comentário e a leitura.