quarta-feira, setembro 02, 2009

(...) BEM QUE EU TENTEI DESPISTAR A GOVERNANTA...

porém a poesia pinup poppins veio voando de sombrinha
___e um verso jason me perseguiu até o fim da linha –
tinha uma rima ali muito na sua que também tava na minha
___feito alguma avezinha suavezinha que se avizinha
quando você já despachou o vizinho e refugou a vizinha
___só pra ler sossegado o seu jogo da amarelinha
e aí chega a sua gostosa atrás do açúcar que você nem tinha
___e então vocês passam a noite toda trocando figurinha,
lendo, anotando, interpretando e comentando
___a carta de pero vaz de caminha

7 comentários:

Anônimo disse...

gostei dos versinhos,e até me senti neles ;P
beijo tigre ma bouche.

Anônimo disse...

:DDD





n.

Giuliano Quase disse...

Esse Ivan...

bicholito,

sobre livros:

você como um leitor inveterado do leminski, compensa comprar o "Vida" por 50 pila?

Ivan disse...

Giuliano:

compensa - o Vida tem trechos excelentes, como as observações sobre a cultura japonesa na bio do Bashô e sobre a história da Rússia na do Trotski.

Fora que na média é aquele estilo do Leminski, esbanjando malandragem e conhecimento - pode gastar até mais que 50 pilas que valerão cada centavo.

urbanoideiluminado disse...

gostei bastante dessa...mesmo sentindo um incômodo com o verso: "quando você já despachou o vizinho e refugou a vizinha" que achei desnecessário...

psso roubá - la para o pó?

Ivan disse...

urbanoide:

Não vou me desculpar pelo incômodo, porque penso que a arte tem que incomodar pelo menos um pouco, senão reduz-se a um mero entretenimento.

Quanto a "roubá-la para o pó" (fico imaginando o que quer dizer isso), joguei o poema na rede, portanto seu uso está sujeito à discrição dos leitores: use-o conforme achar mais adequado...

Anônimo disse...

tá lá, então! no pó:

http://poeteias.blogspot.com/

abraços, justen
rp