sexta-feira, junho 17, 2011

Clash of translatitans (ou kléche oftrans leitortaitans) (ou classe de tradutortos)

(postagem dedicada ao Adriano Scandolara, pela derrota que me infligiu no Concurso de Tradução Bloomsday, da Ateliê Editorial)

parágrafos 4 e 5 do Finnegans Wake de James Joyce. Nessa minha reimaginação a seguir, convido os leitores a me verem como um dos "Maláquios Enxacuecas", sendo que o posto de "Solnesstre Finnegan" foi devidamente conquistado pelo Adriano: honras à tradução dele, que merece ser curtida por todos clicando aqui.

Que confrontos aqui de intenções fregen tensões, ostragodeuses humordaçam peixingodeuses! Bréqueq Quéqueq Quéqueq Quéqueq! Cóaks Cóaks Cóaks! Ualu Ualu Ualu! Quaouauh! Onde os sequases Baldelérios ainda saem assassinalar Maláquios Enxacuecas e os Verdonos catapeitam as camibalísticas fora do Semterroyce de Cabo CaHbEcê. Aziagaios e bumeringuestres. Prole d’áurea, valei-me homedo! Sanglórios, salvai! Armas apelam a larmas, apalermando. Guilhogatilhotina: a paga, a paga. Que amassetetes casuais, que arcaymuros aéreos e crivados! Que mepropõetestantes sinduzidas por que tegotetabsolvos! Que vero tato pelos belcabelos delas com que voz canudora de falso esauluço! Ó: houve, houve como esparracachou-se em pó o pai dos fornicacionistas mas, (Ó meus raios fúlgidos e corpo!) como pendãostendeu-se augusto firmamento o signocéu de macio anúncio! Mas era iz? Issol de? Outreram ermãs? Os carvos antigalhos agora jazem na turfa entre tanto inda adãolmos saltam onde se deitam as cinzevas. Tumbai se menosquereis, erguer-vos devereis: e nenhum tãopronto trará tampouco a pharsa sob a atual circonstância a um secular acerto fimfênix.
Solnesstre Finnegan, o da Mão Gagueja, grãopedreiro dos livres, vivia na mais larga via imarginável em seu candelar muilalonge para cassítios eras antes de juízes josuézes nos darem números ou Helvítico cometer deuteronômio (um dia fermenteontem ele sterneamente enfstixou a catesta num tonel para aswiftir ao futuro de seus fados mas nem a desretirara quando, pelo poder de moisés, a água tonelada evaporiu-se e todas as gênejas tiveram êxodos o que mostra o pentateucado chapa que ele era!) e durante muiscos e múisculos anos ímpares este homem de cochocimento edifícios amontou prédico supra prédico no Vilarejo de Pinguiço sôbolos bancos aos riventes beirinhos. Ele dentinha tiquinha espozéquia Aninha udenda criarturrinha. Cônseus calbelos nas mões encaçapava tuas partesnela. Frequemente bálbulo, mitradiante, envergando avistosa trolha e o macacão marfinado que ele habitacularmente gozotava, como Harum Childérico Eovoberto ele caliculava por multiplicáveis o altitudo e maltitudo até que vaivisse à nitiluz alcoótica duond’era nata, a túvola cabeçonda d’outros dias a erguer-se em desvestida maizonaria (joypermita!), uma uaralha de um arranhassalvo da mais tórrea envergrandura, irlangerando-se de quase a nada e celescalando cimos e laia, hierarquitectictactiptopáltico, com uma sarça ardente entope do babeltopo e com laurons o’tolos sapando acima e tombaldes d’beckets teando abaixo.
James Joyce
versão caída em desgraça: Ivan Justen Santana

3 comentários:

Ade (Leitor Hipócrita) disse...

Bah, seu Ivan, não sou nenhum "solnesstre"... to mais prum "caipatraz" mesmo, haha.

Posso pagar a campanhomenagem em guínese/gêneja?

Ivan disse...

Sic cobralaei, HipocritAde.

Eduardo Miranda disse...

Maravilha Ivan, gostei da ginga!

Passa la na TUDA na primeira sexta-feira de Julho para conferir a minha tradução dos 5 parágrafos do FW!

Abraço,
Eduardo