segunda-feira, março 22, 2010

UM POETA JÁ CÉLEBRE CELEBRA SEU CAMARADINHA ANIVERSARIANTE, QUE ASSIM DEVOLVE A SAUDAÇÃO...

Versos ao Poeta

Para Ivan Justen

Certo, ninguém podia adivinhar,
Nasceu com dom, elã divino,
Mescla de dor e riso, som de sino
E água, palavra, menino a sonhar.

Coisa feita, de berço, solto no ar,
Como se o poeta fosse um caminho
Que por estar entre a flor e o espinho
A grande maioria quer desviar.

Estamos sós, mas isso é o de menos,
A mão do poeta escreve mesmo torto,
Quando seus versos não são pequenos.

Sei, pra ressuscitar esteve morto.
Mas, agora, andando sobre as mágoas,
O poeta, como um deus, ri de suas lágrimas!

Antonio Thadeu Wojciechowski

***

Devolvendo o toque de bate-pronto...

Devolvendo o toque de bate-pronto,
ainda sob o efeito deste soneto,
(ou foi sob o soneto deste efeito?)
que me deixou (e já sou) meio tonto,

confesso que fiquei até sem jeito
pra agradecer da maneira que encontro
mais própria a tão grande amigo. Aqui apronto
este poema de metro suspeito,

que não chega nem perto da catega
à qual a homenagem acima chega.
Tributo a mim? Na verdade, não faço

jus a tais versos. Neles, o Thadeu
refletiu, além do tempo e do espaço,
a poesia, que aqui agradeceu.

Ivan Justen Santana

5 comentários:

Panda disse...

Afe! Quando eu for pra Curitiba, quero uma foto autografada desses dois poetas maravilhosos que o tempo se dipôs a contemporaneizar em minha vazíssima existência!

Panda disse...

Ah sim, parabéns Ivan!!! Vou te levar um presentinho. Um livro do James Joice com 3 livros compilados cujos nenhum dos três eu admito, não consegui ler...

Curitiba é um copo vazio cheio de frio disse...

Um ano iluminado, meu amigo!

vinícius alves disse...

Salve, Ivan

meus parachoques. homenagem mais do que merecida.

amprex do vini

Cláudio Bettega disse...

parabéns, meu mestre!!!!