domingo, outubro 23, 2011

EXTRA! EXTRA! DALTON TREVISAN TOMA UM CACETE E NEM FICA SABENDO

Vou tentar explicar, então tome fôlego quem quiser saber qual é.

Neste sábado, estava eu na casa do polaco da barreirinha quando com todos os fios de seu bigode ele repetiu e sublinhou que foram três os caras que lhe ensinaram a escrever boa prosa: Machado de Assis, Nelson Rodrigues e Dalton Trevisan (não por coincidência, o polaco usou muito o pseudônimo de Dalton Machado Rodrigues).

No domingo, o polaco postou no facebook uma foto do Dalton e um poema de homenagem, convidando os amigos a prestarem as suas respectivas celebrações da trevisânica figura.

Não resistindo ao convite, perpetrei a seguinte, que aqui intitulo

DAI A DALTON O QUE É DE JÉRSON,
E A TREVISAN, O QUE VEIO DE IVAN

Que vampiro? Gênio aonde?
Vai seguindo sempre em busca
dum estilo que se esconde
numa angústia tão patusca
que nem chega a ser de velho:
um fraquinho autoevangelho.

Sabe apenas pôr o dedo
na ferida se é a alheia:
possivelmente isso é medo
de pulsar a própria veia,
que mete nesse inseguro
um pavor de claro e escuro.

Mas não rimarei com dalton
rima nenhuma biônica.
Faço rimas só pros nêutrons
da prosa dele chatônica:
nem mil anos na salmoura
nem biotônico fontoura

não elevarão o status
deste literato cactus,
porque a lei de Jérson é
diminuir o cacife
pra ver se ainda para em pé
o seu conto de patife.

Assim prestei homenagem
a este Jérson Trevisan,
dos Daltons tem bandidagem,
muita prosa e pouco elã.

E o polaco que me aguente
pois ponho um pingo num i:
ninguém xinga impunemente
Emiliano e Kolody.


Ivan Justen Santana

3 comentários:

Ivan disse...

Colo aqui o poema do Thadeu, pra quem não tem facebook -

em mim eu vejo você, dalton trevisan

não, não seria demais
amá-lo
e respeitá-lo
pelos próximos mil anos
ou mais
seus caninos estão bem
fornidos de eternidade
e a obra que admiramos
também

85 anos, convenhamos,
não é pra qualquer um
mas você, com essa classe
esse estilo, cara
fazendo do lugar comum
a essência rara
que joga em nossa face
um único rosto
e nos deixa a salvo
de todo o mau gosto
você não morre tão cedo

é, velho
não tem mais segredo
nenhum salmo
cântico, reza, evangelho
fez mais por nós
pecadores
que a ternura de tua voz
cutucando nossas feridas
nossas dores
nossas vidas
e provando que todas as curitibas
são uminha
e nada mais
a tua, a minha
a nossa senhora da luz dos pinhais


Antonio Thadeu Wojciechowski

Panda Lemon disse...

Uau! Gosto é gosto, não só se discute, como se poeta!

Neuzza Pinhero disse...

grande abraço, Ivan

poesia vida longa