quinta-feira, maio 13, 2010

E lá vai mais um poema de uma rima só, solando pela blogosfera...

*
ORA ORA ORA

Ora bolas – ora, ora:
se você vai indo embora
sem esporro senta espora
sempre nunca mais agora
na esperança da demora
e na fé que ao demo ora
minha cor já se descora.

Ora bolas – ora, ora:
hora que passou da hora,
verso que ficou na escora
e esta estrofe não melhora.
Rainha do frevo é Dora
mas se a Carmen mira e chora
eu sou mais ouvir a Aurora.

Ora bolas – ora, ora:
se mexer o molho gora
e não chega a Bora Bora.
Abra a caixa de Pandora:
se a canção você decora
na filosofia mora
e talhou sozinha a tora
por que busca dar o fora?

3 comentários:

Mariáh disse...

Adorei. Sempre que leio teus poemas fica aquela vontade de ouvi-los declamado. Tinha que fazer versão áudio deles ;)

Ivan disse...

Mariáh (e a quem mais possa interessar) -

para arquivos de áudio, entre no site www.radiocaos.com.br e fuce nos programas antigos -

mas o filé mesmo está aqui, ó:

http://www.youtube.com/results?search_query=Ivan+Justen

Panda disse...

genial!!!!