segunda-feira, maio 24, 2010

SEMPRENOVOQUANDO

(pra Gianna Roland)

enquanto eu fico aqui parado na parada
enquanto você foca ali parada nalgum prado
enquanto a gente sai pela direita ou pela esquerda

ou sai daquela uma e vai nessa pelada
ou empacota ou tem um treco e larga ao lado
ou fala um troço sério e alguma bela merda

em ganho ou perda
em detestado estado
em pleno pelo duma gata parda na calada

enquanto tudo e nada:

a vida vem ventando
inventa e cria em contrabando
um mesmo nunca velho e sempre novo quando

6 comentários:

Gianna disse...

meu amor, adorei.
vc como sempre, me surpreendendo.
belo poema, bela vida as nossas.
te amo

Getulio Guerra disse...

Sim Ivan, é o Acuio mesmo, um dos oficineiros do nosso projeto PrasBandas com sua Astrologia =)

Meu amigo dos anos 80, mentor de um fã-clube na época da Legião Urbana, parceiro de filmes no Cine Ritz e Groff, de shows no AeroAnta, etc.

Chegue chegando que tá bem chegado poeta!

Abraço!

Curitiba é um copo vazio cheio de frio disse...

Golaço, Ivan!

marilda disse...

E a gente vai levando... até quando tenha um novo quando, um novo verso, um inverso desconhecido, um amigo.
Beijo nos dois pombinhos.

Antonio Thadeu Wojciechowski disse...

Belo, Ivan.

FMAN disse...

Muito bonito, Ivaaaaaaaaaaaaann.
Legal mesmo, fechou a ideia perfeitamente, além de unir beleza com uma estrutura que parece arquitetonicamente planejada. Em bom português: Du caralho! Abração.